Curiosidades

Independência do Brasil – SP dos acontecimentos e dos monumentos históricos

"O Grito do Ipiranga"-Pedro Américo. Encomendada em 1888 pela família real
“O Grito do Ipiranga”-Pedro Américo. Encomendada em 1888 pela família real

Para muitos o dia 7 de setembro é apenas um feriado, um dia de descanso onde não é preciso ir ao trabalho. Para outros, é um dia de gozação devido a possível dor de barriga do imperador brasileiro, que segundo alguns pesquisadores, passava mal no momento do Proclamação por ter comigo algo estragado na baixada. Mas o que poucos sabem, ou entendem, é a grandeza e a importância do ato.

Por isso, resolvemos fazer um super resumão para você entender melhor o que aconteceu, e aproveitamos para fazer um passeio diferente com um roteiro histórico nesse feriado. Que tal?

A independência do Brasil não aconteceu do dia para a noite. Na verdade, todo o processo durou cerca de 5 anos e o seu início se deu com o retorno da família real à Portugal em 1820, devido a Revolução Liberal do Porto que acontecia por lá.

Com a sua saída do Brasil, D. João nomeia o seu filho mais velho, D. Pedro de Alcântara de Bragança (Dom Pedro I), como Príncipe Regente. Ele e sua mulher, a imperatriz Leopoldina de Habsburgo, ficaram por aqui para manter a ordem do Império.

D. Pedro I e Dona Leopoldina
D. Pedro I e Dona Leopoldina

Quando chegaram a Portugal, D. João emitiu uma ordem para que o Brasil deixasse de realizar comércio com outros lugares e que passassem a comprar apenas de Portugal. Mas, como era de se esperar, os nobres não gostaram muito dessa ideia, pois estavam lucrando muito com as especiarias de outros países. Então começaram a pressionar D. Pedro para que não acatasse a ordem. E o convenceram.

Ao saber da desobediência, D. João emite uma ordem para que Dom Pedro voltasse a Portugal imediatamente. Em resposta ao pai, no dia 9 de janeiro de 1822 foi declarado o Dia do Fico (no Rio de Janeiro). Não satisfeito com o andamento das coisas, o rei Português enviou outra mensagem para que D. Pedro voltasse para a Europa urgentemente ou teriam consequências.

Neste dia D. Pedro visitava São Paulo – para garantir sua lealdade e solucionar problemas políticos – por isso, foi Dona Leopoldina, no Rio, quem recebeu a carta com as exigências de Portugal e ainda soube das possíveis futuras ações que colocariam em risco o Reinado do Brasil. Ela então decide convocar o Conselho com urgência. A Imperatriz era uma mulher de coragem e nesse dia, 2 de setembro, decidiu pela liberdade do Brasil e enviou uma carta ao marido contando sobre o ocorrido.

Dona Leopoldina reunida com o Conselho
Dona Leopoldina reunida com o Conselho

Saindo de Santos a caminho do Rio de Janeiro, D. Pedro recebe a carta de sua esposa em São Paulo, no dia 7 de setembro, as margens do Rio Ipiranga. Esbravejando por conta das ordens de Portugal, o Príncipe Regente gritava que o Brasil não seria escravizado e nem perseguido e em determinado momento empunhou a sua espada e proclamou “Independência ou morte”.

Existem muitos documentos sobre esse período e a maioria se encontram no Rio de Janeiro, que era a capital do Brasil. Por aqui, temos a possibilidade de visitar os locais que fazem referência a esse período e ter uma grande imersão sobre esse momento tão importante para a história do nosso país.

O roteiro foi elaborado pela SPTuris e os seus detalhes podem ser conferidos no site. Aqui temos uma pequena síntese.

Vamos aproveitar a cidade?

1 – Museu do Ipiranga

foto: Veja SP
foto: Veja SP

Parte do conjunto arquitetônico do Parque da Independência, o Museu Paulista da Universidade de São Paulo, ou Museu do Ipiranga, abriga o maior acervo histórico relacionado com a Independência do Brasil. Entre as peças, móveis e obras de arte, destaca-se o quadro Independência ou Morte, pintado por Pedro Américo no ano de 1888.Infelizmente o Museu do Ipiranga se encontra fechado para obras de restauro e a sua reabertura está prevista somente para 2022 e não temos mais informações sobre o seu acervo e a assertividade das obras. Mas estamos na torcida.

2 – Casa do Grito

00461277_8a2h2e7d6c

Imóvel tombado pelo CONDEPHAAT, a Casa do Grito faz parte do acervo histórico de São Paulo e do conjunto arquitetônico colonial do Brasil. Sua relação com a cena da proclamação da independência se dá pois, em um dos mais famosos quadros sobre a respectiva data, a tela “Independência ou Morte”, também conhecido como “O Grito do Ipiranga”, está representada a cena do momento em que Dom Pedro proclamava a independência e, ao fundo, pode-se ver a pequena casa, hoje conhecida como a Casa do Grito.

3 – Monumento à Independência

Monumento da Independência5

Localizado às margens do Riacho do Ipiranga, o Monumento à Independência, também conhecido como Monumento do Ipiranga ou Altar da Pátria, marca o local onde Dom Pedro I, Primeiro imperador do Brasil, proclamou a independência do país no dia 7 de setembro de 1822. O monumento, construído pelo escultor Ettore Ximenes e pelo arquiteto Manfredo Manfredi, possui uma cripta onde está localizada a Capela Imperial, construída em 1952 para abrigar os restos mortais de Dom Pedri I, de sua primeira esposa, a imperatriz D. Leopoldina de Habsburgo, e de sua segunda esposa, a imperatriz D. Amélia de Leuchtenberg.

4 – Igreja de Nossa Senhora da Boa Morte

i127727

Localizada na Rua do Carmo, próxima à Praça da Sé, a Igreja de Nossa Senhora da Boa Morte foi construída entre os anos de 1802 e 1810. Conhecido como o templo das boas notícias, sua localização permitia ver quem, pelo Rio Ipiranga, chegava a São Paulo vindo de Santos ou do Rio de Janeiro. Os sinos da igreja teriam anunciado a chegada de Dom Pedro I a São Paulo, e daí a relação do templo com o dia da independência do Brasil.

5 – Pátio do Colégio

cafe-do-pateo

Considerado o marco zero e o sítio arqueológico mais importante da cidade de São Paulo, o Pátio do Colégio, ou Pateo do Collegio, na grafia antiga, é o marco inicial no nascimento da cidade de São Paulo. Sede do Governo da Província de São Paulo, o local serviu de hospedaria para Dom Pedro durante sua estada na capital paulista.

6 – Solar da Marquesa de Santos

Solar_da_Marquesa_de_Santos

Considerada uma das residências mais aristocráticas de São Paulo, a casa onde vivia Domitília de Castro e Canto Melo, a Marquesa de Santos, é um dos pontos a se considerar no roteiro relacionado à independência do Brasil. Amante de Dom Pedro com quem teve cinco filhos, a Marquesa de Santos teria conhecido o Imperador em 1822, alguns dias antes da proclamação da independência do Brasil.

7 – Praça do Patriarca

Na praça é possível conferir a estátua de José Bonifácio
Na praça é possível conferir a estátua de José Bonifácio

Uma das praças mais antigas da cidade de São Paulo, a Praça Patriarca José Bonifácio, ou Praça do Patriarca, faz menção à José Bonifácio, Patriarca da Independência. O logradouro fica próximo a pontos importantes da cidade de São Paulo, como o Vale do Anhangabaú, Viaduto do Chá e a Rua Líbero Badaró, no Centro da cidade.

 

 

Fonte: SPTuris / Vá de Cultura / Brasil Escola / Conrado Franco – Historiador

Thais Cunha

Sobre Thais Cunha

Sócio-fundadora do SP2GO. Amante da cidade, da sua história e das suas peculiaridades. Gosta de aproveitar tudo o que a cidade oferece e de vasculhar todos os seus cantinhos. Uma paulista que simplesmente não consegue se imaginar morando em outra cidade.

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *